Bispos

Bispos da diocese

  • Nascimento: 09/10/1951
  • Cidade Natal: Arroio do Meio/RS
  • Ordenação Episcopal: 21/06/1998 - Arroio do Meio/RS
  • Lema: Enviado para Evangelizar

Dom Canísio Klaus

Canísio Klaus nasceu em Arroio do Meio, Rio Grande do Sul, no dia 9 de outubro de 1951. É filho de Arthur e Hilda Klaus. Sexto filho numa família de sete irmãos.
Fez seus estudos iniciais nas escolas rurais de Arroio do Meio, sua terra natal. Cursou o ensino fundamental no Seminário Menor Sagrado Coração de Jesus em Arroio do Meio, de 1960 a 1969. Posteriormente o Ensino Médio no Seminário São João Batista, em Santa Cruz do Sul, de 1970 a 1972. Em 1973 ingressou no Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição, em Viamão, inicialmente na faculdade de Filosofia que concluiu em 1976. De 1976 a 1979 cursou a faculdade de Teologia no Seminário Maior de Viamão.
Aos 28 de dezembro de 1979 foi ordenado sacerdote em sua cidade natal, Arroio do Meio, por Dom Alberto Etges. Em 1980 fez um curso de Pastoral Social junto a Cáritas em Porto Alegre.

Como padre exerceu as seguintes funções:
1980: Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Santa Cruz do Sul.
1981 a 1984: Reitor do Seminário Sagrado Coração de Jesus de Arroio do Meio.
1985 a 1989: Pároco na Paróquia Santo Antônio, de Nova Guarita (MT).
1990 a 1993: Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Moinhos, Lajeado. Na mesma época integrou a Coordenação Diocesana de Pastoral da Diocese de Santa Cruz do Sul (1992 e 1993), o Conselho de Presbíteros, o Conselho de Consultores e o Conselho de Assuntos Econômicos.
1994 a 1998: Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Guarantã do Norte (MT).
No dia 22 de abril de 1998 recebeu do Papa João Paulo II a nomeação de bispo de Diamantino – MT. Foi ordenado Bispo em Arroio do Meio no dia 21 de junho por Dom Sinésio Bohn e empossado como Bispo de Diamantino no dia 26 de agosto de 1998. Tomou para si o lema: Evangelizare misit me (Enviado para Evangelizar).
Durante seu episcopado por nove anos foi coordenador no Regional Oeste II da CNBB da Comissão para a Vida e a Família quando foi elaborado o Projeto “Família Cristã: Igreja doméstica na Amazônia”. De 2003 a 2006 foi presidente do Regional Oeste II e membro do Conselho Permanente de Pastoral da CNBB.
Como Bispo de Diamantino reabriu o Seminário Diocesano de Diamantino, criou o Instituto Diocesano das Irmãs Discípulas do Divino Pastor, construiu o Centro Diocesano de Pastoral, organizou o Museu da Prelazia e Diocese de Diamantino e instalou o Seminário Maior em Várzea Grande.
No dia 19 de maio de 2010 o Papa Bento XVI o nomeou para bispo da Diocese de Santa Cruz do Sul, e aos 18 de julho tomou posse solenemente da Cátedra de Santa Cruz do Sul diante de 16 Bispos, mais de 100 Padres, milhares de fiéis locais e uma caravana de Diamantino.
Em 2011, foi eleito vice-presidente do Regional Sul III da CNBB. No mesmo ano foi escolhido como Bispo referencial da Pastoral da Saúde no mesmo regional.
Em 20 de janeiro de 2016 foi nomeado pelo Papa Francisco Bispo da Diocese de Sinop, no Mato Grosso.

  • Nascimento: 11/09/1934
  • Cidade Natal: Montenegro/RS
  • Ordenação Episcopal: 09/09/1977 - Viamão/RS
  • Lema: Para que todos sejam um

Dom Aloísio Sinésio Bohn

Aloísio Sinésio Bohn nasceu em Linha Bonita, município de Montenegro, Rio Grande do Sul, em 11 de setembro de 1934. É filho de João Bohn Sobrinho e Oliva Paulina Both.
Fez seu Ensino Médio no Seminário Menor São José de Gravataí, de 1952 a 1954. Depois, em Roma, residindo no Pio Brasileiro e estudando na Universidade Gregoriana, cursou Filosofia, Teologia e Direito Canônico, de 1955 a 1964.
Foi ordenado presbítero em Roma no dia 23 de dezembro de 1962. De volta ao Brasil atuou, principalmente, como vigário paroquial na paróquia São Jorge, em Porto Alegre, de 1964 a 1965. Trabalhou como professor de Teologia e assistente dos estudantes de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Porto Alegre no Seminário Maior de Viamão de 1966 a 1977.
Em 27 junho de 1977 foi nomeado pelo papa Paulo VI Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Brasília e consagrado no dia 09 de setembro do mesmo ano, no Seminário Maior de Viamão pelo arcebispo de Porto Alegre Dom Vicente Scherer.
Em 23 de fevereiro de 1980 Dom Sinésio assumiu como primeiro Bispo de Novo Hamburgo. E em 31 de agosto de 1986 assumiu como segundo Bispo da Diocese de Santa Cruz do Sul. Como lema de Episcopado tomou para si: OMNES UNUM SINT (Que todos sejam um).
Em 13 de fevereiro de 1980 foi nomeado pelo Papa João Paulo II como bispo da Diocese de Novo Hamburgo missão que assumiu em 23 de fevereiro de 1980 e exerceu até 1986.
Na Comissão Episcopal de Pastoral da CNBB foi o Bispo responsável pelos setores do Ecumenismo, do Diálogo Inter-religioso e da Pastoral da Juventude durante os anos de 1983 a 1990. De 1992 a 1995 foi o Presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC).
Em 27 de junho de 1986 foi nomeado como sucessor do bispo Dom Alberto Frederico Etges da Diocese de Santa Cruz do Sul, assumindo como segundo bispo da Diocese de Santa Cruz do Sul  em 31 de agosto de 1986.
Ao longo de sua caminhada como bispo esteve envolvido em diversas coordenações na CNBB nacional e regional. Esteve a frente da Pastoral da Juventude e do CONIC. Projetou um lar para os padres idosos da Diocese com a aquisição da Casa Amparo Fraterno, em Linha Santa Cruz, Santa Cruz do Sul. Incentivou a formação teológica dos leigos com a constituição do Centro Diocesano de Formação (CDFPT) e motivou a formação de ministros e catequistas. Criou a Escola Diocesana de Diáconos Permanentes e Ministros Extraordinários do batismo. Entre outras iniciativas suas.
Em 19 de maio de 2010 o Papa Bento XVI aceitou sua renúncia por limite de idade (75 anos) de acordo com o Cânon 401, §1, do Código de Direito Canônico. Em seu lugar assume Dom Canísio Klaus. 
Atualmente reside na Casa Amparo Fraterno, em Linha Santa Cruz - Santa Cruz do Sul/RS.

  • Nascimento: 11/07/1910
  • Cidade Natal: Santa Cruz do Sul/RS
  • Ordenação Episcopal: 25/10/1959 - Porto Alegre
  • Lema: Preparar um povo perfeito

Dom Alberto Frederico Etges

Alberto Frederico Etges nasceu em 11 de julho de 1910, na localidade de Boa Vista, município de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul. É filho de João e Ottilia Etges. Fez seus estudos iniciais nas escolas rurais de sua terra natal. Aos treze anos entrou no Seminário Central de São Leopoldo, onde concluiu seus estudos primários e secundários e a filosofia.
Em 1933, vendo no jovem Alberto rara inteligência e aptidões para o ministério ordenado, o Arcebispo de Porto Alegre o enviou ao Pontifício Colégio Pio Brasileiro de Roma, onde fez parte da primeira turma de alunos e foi o primeiro doutor do Colégio. Foi ordenado sacerdote aos 20 de abril de 1935, na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, na época com 24 anos de idade.
De volta ao Brasil, foi Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, em Porto Alegre. De 1951 a 1953 foi Reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Em 20 de julho de 1959, o Papa João XXIII, vendo o progresso dos vales do Rio Pardo e do Taquari, criou a Diocese de Santa Cruz do Sul. Para seu primeiro Bispo escolheu o douto e virtuoso filho de Santa Cruz do Sul, Padre Alberto Frederico Etges.
Alberto foi nomeado bispo em agosto de 1959 e ordenado Bispo na Catedral Metropolitana de Porto Alegre em 25 de outubro daquele ano por Dom Alfredo Vicente Scherer e pelos bispos Dom Luiz Felipe De Nadal, bispo de Uruguaiana e Dom Edmundo Luís Kunz, bispo auxiliar de Porto Alegre.
Tomou posse e ao mesmo tempo foi instalada a nova Diocese de Santa Cruz do Sul, aos 15 de novembro de 1959.
Dom Alberto Frederico Etges foi o primeiro bispo da Diocese de Santa Cruz do Sul, de 1959 a 1986. Tomou para si o lema: Parare plebem perfectam (Preparar um povo perfeito). Dom Alberto Etges participou das cinco seções do Concílio Vaticano II. Foi grande promotor da Ação Católica.
Renunciou, por limite de idade, aos setenta e cinco anos, no dia 27 de junho de 1986. Permaneceu na Diocese, como Bispo Emérito, trabalhando como pároco da paróquia São José do Patrocínio, de Amaral Ferrador.
Dia 23 de dezembro de 1995, sofreu uma isquemia cerebral no Bispado. Foi imediatamente levado ao hospital, onde recebeu pronto atendimento. Após 17 dias de agonia veio a falecer dia a 08 de janeiro de 1996, às 9h35min.