Perspiciatis unde omnis iste natus

História

A paróquia São Pedro, de Encantado, está localizada na região baixa do Vale do Taquari, região norte da Diocese. Pertence à Comarca Eclesiástica de Encantado.O nome de Encantado apareceu registrado pela 1ª vez no ano de 1856, no livro de registro paroquial nº38, na localidade de Santo Amaro, às folhas 540, registro 24. Houve também outra denominação dada pelos primeiros imigrantes que fundaram o vilarejo, chamando o lugar de "São Pedro de Encantado" ou "São Pedro de Valdástico", - Leia Mais



Ratione voluptatem sequ.
Admissão de Coroinhas e Acólitos
No dia 30 de agosto, às 10h 30min, na Igreja Matriz São Pedro aconteceu a admissão de 09 (nove) novos coroinhas e 04 (quatro) acólitos. A missa foi presidida pelo vigário paroq ...
Ratione voluptatem sequ.
Encontro Comarcal de Catequistas e Ministros
No domingo (02 de agosto de 2015) realizou-se na Paróquia Nossa Senhora da Purificação, em Muçum, o Encontro Comarcal de Catequistas e Ministros da Sagrada Eucaristia, da Comarc ...
Ratione voluptatem sequ.
Curso de Teologia Popular
Aconteceu no último dia 22 de agosto de 2015, mais uma etapa do Curso de Teologia Popular. O tema abordado foi Liturgia I, com a Assessoria do Pe.Marcelino Sivinski. Participam do ...
Ratione voluptatem sequ.
Chá Beneficente da Sociedade Sant'Ana
A Sociedade Sant'Ana tradicionalmente realiza o Chá Beneficente no último final de semana de julho. A programação iniciou com uma Santa Missa na Igreja Matriz, às 13h 30min, pr ...

Comunidades

A Paróquia São Pedro, de Encantado, possui 28 Comunidades constituídas.

Comunidade São José - Bairro São José

 

A Capela São José está localizada no Bairro do mesmo nome. Foi fundada em 1891 e construída sobre um terreno de 2.880 m², doado por Margherita Bigliardi. Foi benta pelo Pároco de Estela, Pe.Eugênio Steinhart. À época a diretoria era formada por Fidelis Fontana, Miguel Sangalli, José Dal Monte e Sinésio Lorenzi. Era catequista a Sra.Cristina Gosmann Tiecher. Como o aumento da população houve a necessidade construir uma capela maior, em alvenaria. Esta foi inaugurada aos 31 de outubro de 1909. Em 1944 foi construído um novo e artística altar de madeira, bento pelo vigário paroquial, Pe.José Pandolfi. Um pequeno pavilhão de festas foi construído em 1946 e, no ano seguinte, foi construída a torre, ao lado da capela, sendo inaugurada aos 8 de dezembro. No mesmo dia, rezava sua primeira missa, na Capela Pe.Adolfo Fontana. Vinte e cinco anos depois, Pe.Fontana comemorava seu jubileu de prata, com grandes solenidades, na própria capela, aos 10 de dezembro de 1972. Em 1982 foram demolidos o velho pavilhão e a escola, dando-se início a construção de um grande salão comunitário, o qual foi inaugurado em 31 de outubro de 1982, com a bênção dada pelo Pe.Adolfo Fontana. Em 1991, a capela São José comemorou, com grande solenidade, o Centenário de fundação, tendo passado por amplas reformas. A missa comemorativa foi concelebrada pelo Pároco Pe.Genoir Pieta e pelos Padres Ernesto Fanni, Aroldo Murer e Adolfo Fontana. A diretoria atual é composta pelo Presidente: Sander Bertozzi, Secretário: Rangel Lorenzi e Tesoureiro: Alencar Gabriel Ravazio.


Sander Bertozzi - Presidente - (51) 9798-5866

Alencar Gabriel Ravazio - Tesoureiro - (51) 3751- 6082
Rangel Lorenzi - Secretário - (51) 9955- 4371

 

Comunidade São Pedro - Matriz
Perspiciatis unde omnis iste natus

 

Quem vem a Encantado não pode deixar de visitar a Igreja Matriz São Pedro, ponto de parada obrigatória na cidade de Encantado. Uma das construções mais belas do município e localizada na área central da cidade. 
A Igreja Matriz, que começou como Capela São Pedro, foi construída na parte central dos terrenos doados por João Batista Lucca e Francisco Bigliardi, em 10 de julho de 1888, foi elevada categoria de paróquia no dia 13 de setembro de 1924 por Decreto de Dom João Becker, o Curato de São Pedro de Encantado. A pedra fundamental da atual igreja recebeu a bênção no dia 15 de agosto de 1928 e dois anos depois, a 22 de outubro de 1930 eram inauguradas as duas belíssimas torres, a nova fachada e parte do conjunto externo, o largo e a grande escadaria da Igreja Matriz. A 31 de maio de 1932, era inaugurada, após a bênção solene, a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes. Já no ano seguinte, a 29 de outubro, era inaugurada a segunda gruta, de Santa Teresinha, com a bênção de imagem da santa que foi recebida em doação da Prefeitura de Encantado.
Em 15 de julho de 2000, na abertura das solenidades da Semana da Imigração Italiana de Encantado, Pe.Augusto Bonelli fazia a solene instalação da réplica do Santo Sudário, na capela lateral, no interior da Igreja Matriz São Pedro vindo diretamente de Turim, na Itália.
Um dos pontos mais importantes e mais visitados da cidade, a Igreja Matriz São Pedro, além de todo o cunho religioso, ganha importância também por ser um dos atrativos mais fotografados pela população e especialmente pelos turistas. Com certeza ela faz parte da história de Encantado e hoje contribui consideravelmente para o turismo da cidade.
Atendimento religioso:  A história de um povo encontra-se intimamente ligada à sua religião. Não poderia ser diferente em Encantado, que sempre teve acompanhamento espiritual através dos sacerdotes que aqui trabalham. Os imigrantes italianos que vieram a Encantado, em torno de 1882, desde o início, desfrutam do atendimento religioso dos padres da congregação scalabriniana.
Padres Carlistas:  Um santo bispo, João Batista Scalabrini, preocupado com o atendimento espiritual aos imigrantes, fundou, aos 28 de novembro de 1887, em Piacenza, na Itália, a Congregação Scalabriniana e enviou o primeiro sacerdote, que depois foi pároco, na pessoa do Pe.Domênico Vicentini chegando no dia 20 de abril de 1896. O segundo pároco foi o Pe.Mássimo Rinaldi, cuja causa de beatificação está em andamento em Roma. Este santo missionário, atendia, a cavalo, além das localidades do interior de Encantado, Anta Gorda, Nova Bréscia, Relvado, Doutor Ricardo, Ilópolis, Arvorezinha, Itapuca, Putinga e Muçum. Ainda hoje os padres carlistas são responsáveis pelo atendimento espiritual na Paróquia de Encantado, que celebrou, neste ano de 2015, 119 anos de fundação no dia 20 de abril. O atual pároco é o Pe.João Granzotto e o vigário paroquial Pe.Hermes Pergher. 
Construção da Igreja Matriz:  No centro de Encantado, com a chegada dos imigrantes italianos, foi construída a primeira capelinha de madeira dedicada a São Pedro. A segunda igreja, foi substituída por uma maior, em alvenaria, pelo Pe.Domênico Vicentini e abençoada pelo bispo Scalabrini, em visita a seus missionários, no dia 20 de setembro de 1904. A partir de 1928 o Pe.José Foscallo remodelou-a com a construção de duas torres, duas grutas e uma imponente escadaria. A atual Igreja Matriz, com a reforma das torres, teve sua pedra fundamental lançada em 1955 pelo Pe.Florindo Ciman. Vinte e cinco após foram trocadas as telhas de cerâmica por telhas de zinco e feito uma pintura interna.
Restauração interna da Igreja Matriz:  De tempos em tempos, também as construções de igrejas e capelas necessitam de reparos. Em 1997, após um estudo minucioso, viu-se a necessidade de remodelar e restaurar a parte interna da Igreja Matriz. Como primeiro passo, os antigos vitrais, em número de trinta e sete, feitos em 1956, já deteriorados foram substituídos por novos. Em 1996, sob a coordenação de Pe.Ênio Luiz Bottan, foram novamente trocadas as telhas de zinco por alumínio e feita a nova iluminação interna da matriz. Uma campanha realizada  na comunidade possibilitou a inauguração dos mesmos no dia 21 de março de 1999. Os trabalhos da restauração da igreja estiveram sob a coordenação do arquiteto sacro Ir.Renato Köch (lassalista) e sua equipe e foram iniciados no dia 26 de abril de 1999. A primeira etapa (presbitério) foi encerrada no dia 12 de novembro. A indústria, o comércio, profissionais liberais e as famílias de Encantado participaram com a sua colaboração generosa. No ano de 2014, tendo vista a preocupação dos Padres e do Conselho de Assuntos Econômicos acharam por bem efetuar um investimento na nossa bela igreja. Realizou-se os serviços de imunização do madeiramento do telhado e estuque e manutenção interna com a aplicação de pentox com bomba e esguicho, com a remoção das telhas para possibilitar o acesso necessário e recolocadas nos seus devidos lugares; limpeza geral das teias de aranha e remoção do pó com aspirador, em todo o interior da igreja, retoques de manchas e recolocação de molduras caídas e repintura conforme o original. 
Sinos:  Na década de 1920, chegaram os três primeiros sinos fundidos em bronze pela firma Daciano Cobalchini e Filhos de Pádua (Itália). Nos últimos anos, apesar de inumeráveis tentativas, não vinham funcionando a contento. Foram feitas reformas em sua estrutura e totalmente automatizados pela firma Argos, de Teutônia. 
Comunidades:  São vinte e oito comunidades, quinze no interior, treze nos bairros e mais a comunidade da matriz onde se celebram o culto e a missa. A Paróquia São Pedro, em sua organização, conta com o Conselho de Assuntos Econômicos, Conselho Paroquial de Evangelização, Ministros da Palavra, Comunhão e da Esperança, Catequese Paroquial, Renovação Carismática, Pastoral Familiar, Pastoral do Batismo, Pastoral dos Coroinhas, Pastoral Vocacional, Pastoral da Saúde, Pastoral da Juventude, Zeladoras de Capelinhas, Movimentos e Associações, Sociedade Sant'Ana, Movimento Leigo Scalabriniano, entre outros. Contamos também com a participação atuante, especialmente entre os imigrantes, a Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria. 


Horário de atendimento: Segundas às sextas-feiras: 8h 30min às 11h 30min e das 13h 30min às 17h 30min. 

Sábados das 8h às 11h 30min.
Telefone para contato: (51) 3751-1127
E-mail: saopedroencantado@pannet.com.br

 

Comunidade N.Sra.Aparecida - Bairro N.Sra.Aparecida

 

Com a construção, pela COHAB, de um núcleo habitacional, em número de 67, que começou a ser habitado em 1967, quando então passou à denominação de Bairro Popular.
O primeiro movimento comunitário organizado, grupo de oração bíblico, efetuava reuniões para rezar e tratar de assuntos da comunidade. O grupo era assistido pelo Pe.Ênio Luiz Bottan, que, com sua liderança, promoveu a celebração da primeira missa, no local, ao ar livre, em frente à casa onde o grupo se reunia.
O grupo passou a deliberar sobre a fundação de um Centro Comunitário, com a construção de um pavilhão, em terreno doado pela COHAB, tendo a participação do poder público e da comunidade.
Ao iniciar a campanha para a aquisição de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, o senhor Ilvo Sangalli fez a doação, em nome de sua família, por uma promessa que fizera.
Aos 08 de abril de 1975, foram elaborados os Estatutos do Centro Comunitário, com a constituição da primeira diretoria, sob a presidência de Adroaldo Valdir dos Santos. 
Aos 4 de setembro de 1980, por ocasião da indicação de David Fontana para ministro, o bairro recebeu a primeira visita do Bispo Dom Alberto Etges.
Em 1995, por iniciativa da Câmara de Vereadores o bairro recebeu a denominação de Nossa Senhora Aparecida.


Presidente: Caetano Orsolin e Eloiza Capalonga Orsolin - Fone: (51) 9846-7678




 

Comunidade N.Sra.Aparecida - Bairro Lambari Alto

 



 

Comunidade N.Sra.Auxiliadora - Linha Auxiliadora

 

As primitivas família a se radicarem na linha foram Valentin Dadalt, Luiz, Júlio e Francisco Bagatini, Piero e Ângelo Dalla Vecchia, Frederico Mussio, Júlio e Desidério Bouvié, José Morandini e João Batista Pretto.
Aos 6 de agosto de 1898, o casal Carlos e Carolina Höller doaram à comunidade Nossa Senhora Auxiliadora, uma área de terras com 200 por 130 metros, para a construção de uma capela e um cemitério.
No mesmo ano, teve início a construção de uma capela de madeira, a qual foi benta em 30 de abril de 1899, pelo Pe.Domênico Vicentini.
Em 1902 foi construído o cemitério, na parte da frente da capela. 
A capela foi demolida por um vendaval. Novamente os moradores se mobilizaram e construíram uma outra capela de madeira.
Aos 23 de junho de 1925 foi inaugurado o sino, vindo da Itália.
Pe.Alfredo Antonelli, aos 10 de abril de 1939, benzeu e colocou a pedra fundamental para a construção da nova capela com a torre, em terreno doado por João Batista e Antônia Pretto.
Aos 5 de junho de 1977, o Bispo Dom Alberto Etges benzeu a colocou a pedra fundamental para a construção de um pavilhão comunitário.
A comunidade já deu à vida religiosa, quatro sacerdotes: Pe.Avelino Dalla Vecchia, Pe.Agostinho Pretto, Pe.Antenor Dalla Vecchia e Pe.Miguel Dalla Vecchia, além das irmãs religiosas Ida, Adélia e Helena Fontana, Maria, Luíza, Rosina e Maria Dalla Vecchia e Santina Possamai.



Presidente: Elírio João Gianesini

Vice-Presidente: José Omar Pedersini
Tesoureiro: João Carlos Bagatini
Secretário: Telvi Spessatto


 

Comunidade N.Sra.da Paz - Linha Anita

 

A localidade teve sua denominação originada do nome da primeira professora, Senhora Ana De Conto, passando, então, a chamar-se Linha Anita.
As primitivas famílias que se estabeleceram na linha, foram as de Aníbal e Otorino Graciolla, por volta de 1910, e pouco mais tarde, José e Ângelo De Conto, Antônio, Virgílio e João Luzzi.
Em 1932 a comunidade construiu uma Escola-Capela, que foi benta pelo Pe.José Foscallo, na qual foram introduzidos os quadros de Nossa Senhora dos Navegantes e de Santo Antônio.
Pouco mais tarde, em 1938, foi construída uma capela, dedicada a Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, em terreno doado por Cândida de Conto. Foi benta pelo Pe.Reinaldo Zanzotti. Tiveram efetiva participação na construção da capela, Raimundo e Inocente De Conto e José Graciolla.
Em 1945, aos terminar a Segunda Grande Guerra, a capela passou por diversas reformas, sendo então dedicada a Nossa Senhora da Paz, por sugestão do Pe.Aroldo Murer.
De 1950 a 1960 a capela serviu, inclusive, como escola. Mais tarde foi construída uma Escola-Capela de alvenaria, com duas sacristias, um salão e uma secretaria, sendo benta aos 9 de outubro de 1969, pelo Pe.João Granzotto.
Em 16 de março de 1982, a comunidade festejou o cinquentenário de fundação da capela, com santa missa celebrada em latim, pelo Pe.Aroldo Murer e cantada por Firmo, Ângelo e Pedro De Conto, Remígio e Aníbal Graciolla.  


Presidente: Neudir Pedro De Conto

Vice-Presidente: Albino Luiz Graciolla
Tesoureiro: Inácio Graziola

 

Comunidade N.Sra.da Saúde - Bairro Porto Quinze

 

A partir de 1882, com a colonização de Encantado, as famílias Lucca, Cadore, Pretto, De Nes, Lansini estabeleceram-se em toda a área do bairro, ao longo da rua Tiradentes.
Como residiam próximas ao centro, faziam parte da Comunidade da Matriz. Somente muitos anos mais tarde, com o aumento da população do bairro, foi realizada uma reunião dos moradores, juntamente com o Pe. Paolo Dal Grande, a fim de fundar um Centro Comunitário, ocasião em que foi escolhida a primeira diretoria.
Em nova reunião aos 23 de agosto de 1985, a comunidade escolheu a Padroeira do Centro, Nossa Senhora da Saúde.
A primeira festa comunitária foi realizada em 24 de novembro de 1985, com a inauguração de uma parte do pavilhão-capela. Em 18 de fevereiro de 1990, foi inaugurada a segunda parte do pavilhão.
Em 1988 foi fundado o Clube de Mães Nossa Senhora da Saúde, que contribuiu para a aquisição de um belo presépio, cujas imagens medem 40 cm de altura.





 

Comunidade N.Sra.das Graças - Bairro Lambari - Lot.Jardim da Fonte

 



 

Comunidade N.Sra.de Fátima - Bairro Lajeadinho

 

Aos 18 de abril de 1926, o Pe.Carlos Pedrazzani dava a bênção a capela de madeira, dedica a São Joaquim, na LInha Lajeadinho, construída em terreno doado por Osvaldo Zart. Faziam parte da comunidade as famílias de Pedro e Ângelo Masiero, João Vigolo, Carlos Castoldi, Bernardo e Carlos Treméa, Osvaldo Zart e outras.
Em 1953, Pe.Aroldo Murer solicitou ao Bispo de Porto Alegre, a autorização para transformar a capela em Santuário, dedicado a Nossa Senhora de Fátima. A autorização do Bispo efetivou-se em 30 de julho de 1953.
Aos 20 de setembro do mesmo ano, após a santa missa, foi benta e colocada a pedra fundamental do novo Santuário, construído com donativos dos moradores, festas e a prestação de serviços gratuitos da comunidade.
Aos 28 dias do mês de outubro de 1962, o Santuário foi inaugurado, na presença de enorme presença popular, que chegou ao local, em cortejo de automóveis, desde a Matriz, transportando a imagem da Santa. Tornava-se realidade, um sonho acalentado pela população e, especialmente, do Pe.Aroldo Murer, ex-pároco, que fora idealizador e o incentivador da bela obra.
A partir daquela data, todos os anos, renova-se a tradicional romaria ao Santuário, transportando a imagem de Nossa Senhora de Fátima.



Presidente: Luciano e Denise Farias

Vice-Presidente:  Gelso e Teresinha Bergamaschi
Secretário: Mauro Antônio e Eva Maria da Rosa
Tesoureiro: Miriam Feldkircher

 

Comunidade N.Sra.de Lourdes - Linha Chiquinha

 

Aos 8 de fevereiro de 1922, Pe. Carlos Pedrazzani benzeu a capela São João Batista, de Linha Chiquinha,  cuja imagem foi doada por Pedro Vian. A imagem de Santa Lúcia foi doada por Josefino e Olindo Lucca. Existia mais uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes.
Em 1974 a capela foi demolida, devido as más condições de conservação, sendo construído, no local, um capitel. 
A nova sede foi localizada a 600 metros acima, num prédio construído pela Prefeitura para servir de escola, sendo aproveitado como capela, que foi dedicada a Nossa Senhora de Lourdes. A escola-capela foi construída em terrenos doados por Lourenço e Lodovico Vian.
Atualmente a escola está desativada e funciona unicamente como capela. Ao fundo foi erguido um salão comunitário, inaugurado em 25 de outubro de 1987.




Presidente: Nilton Capitanio

Vice-Presidente: Darci Garibotti

 

Comunidade N.Sra.do Caravágio - Linha Pinheirinho

 



 

Comunidade N.Sra.dos Navegantes - Bairro Navegantes

 

Os primitivos moradores do bairro participavam dos movimentos da paróquia. As crianças eram catequizadas pelas senhoras Linda Kummer e Nilce Peccin. Com a presença constante da Irmã Beatriz Volpato, o movimento comunitário começou a tomar vulto, quando então, a Ação Social Encantadense construiu um pavilhão aberto em terrenos doados por Arlindo Frigeri. Em 1973 a Legião Brasileira de Assistência colocou as paredes de madeira. Foi então que a comunidade escolheu a padroeira, Nossa Senhora dos Navegantes, para ser colocada no pavilhão, sendo inaugurado em 3 de fevereiro de 1974.
A pedido dos moradores, o vereador Pedro José Lahude, apresentou um projeto de lei, que aprovado pela Câmara, foi sancionado pelo Prefeito, alterando a denominação de Praia ou Porto Onze, para Bairro Navegantes.
Posteriormente, o pavilhão foi ampliado e nele funcionou, durante oito anos, uma creche.
Com o aumento da população do bairro, a comunidade desejava construir uma igreja. Com verba vinda da Alemanha e a colaboração da Prefeitura foi possível a construção da mesma, sendo inaugurada aos 14 de fevereiro de 1988.
Em 1993 foi construído um novo pavilhão comunitário, com material fornecido pela Prefeitura, com a mão de obra doada quase toda, gratuitamente pela comunidade. A inauguração ocorreu aos 9 de setembro de 1995.
A tradicional festa da padroeira, Nossa Senhora dos Navegantes, é realizada no mês de fevereiro.



 

Comunidade Santa Clara - Bairro Santa Clara

 

Um grupo de moradores do bairro, em 1979, resolveu transformar a Escola Municipal em escola-capela, com a aprovação do Poder Executivo. Para isso, adquiriu a imagem de Santa Clara, padroeira do bairro, a qual foi benta pelo Pe.Joaquim Fillippin, com a realização da primeira festa religiosa, aos 10 de agosto de 1980.
Foram escolhidos, como líderes da comunidade, Alice Debortoli e Jacó Luft para auxiliar nas cerimônias religiosas.
Em agosto de 1983 realizaram-se as Santas Missões, pregadas pelos Padres Redentoristas.
Foi escolhida uma nova diretoria, a 5 de setembro de 1994, a qual passou a dirigir a comunidade católica, separando-a da Escola. Foi deliberado adquirir um terreno para a construção de um pavilhão comunitário.
Sob a orientação do Pe.Genoir Pieta, a diretoria conseguiu adquirir, por doação de Arlindo Frigeri e esposa, sem nenhum ônus, um terreno para a comunidade, tendo adquirido mais um, na parte da frente do primeiro, para servir de ligação da capela com a rua.
Em agosto de 1988, tiveram início as obras do pavilhão comunitário, com a colaboração da Prefeitura e da comunidade local. Em 13 de agosto de 1989, foi bento e inaugurado, durante a Santa Missa, o novo pavilhão, pelo Pe.Genoir Pieta.
Em assembleia da comunidade foi deliberada a construção de uma capela, ao lado do pavilhão. Em 1993 tiveram início as obras, sendo a mesma inaugurada, com bênção e santa missa, aos 20 de fevereiro de 1994, pelo pároco Pe.José Mário Gasparetti.



 

Comunidade Santa Rita de Cássia - Bairro Lambari - Lot.Jardim do Trabalhador

 



 

Comunidade Santa Teresinha - Linha Santa Teresinha

 

A pedido de um grupo de moradores da linha, o pároco Pe.José Foscallo, em 1928, autorizou a construção de uma primitiva capela, de madeira, à margem esquerda do arroio Jacaré, sobre o terreno doado por Maria Cima.
A capela foi construída no mesmo ano e, aos 13 de outubro, foi benta e inaugurada. Foi dedicada a Santa Teresinha, por escolha dos fundadores da capela e pelo Pe.José Foscallo.
Colaboraram ativamente na construção da capela, as famílias de João Cima, Bortolo Pedrotti, Antônio Buffon, Júlio Dacroce, Ângela e Maria Cima.
Com a criação da paróquia de Doutor Ricardo, em 13 de setembro de 1939, e instalada aos 7 de janeiro de 1940, a capela passou a fazer parte da mesma. Mais tarde, por solicitação dos moradores, a capela voltou à jurisdição da Paróquia São Pedro de Encantado.
Em 1949 foi lançada a pedra fundamental da nova capela, após a missa festiva em louvor a São Cristóvão, cuja imagem foi doada pela comunidade e pelos motoristas. A nova capela foi inaugurada aos 22 de novembro de 1953, durante os festejos alusivos aos 25º  aniversário de fundação, com a santa missa, celebrada pelo Pe.José Foscallo.
A festa de São Cristóvão tornou-se tradicional com a transladação da imagem, desde a matriz a até a capela Santa Teresinha, acompanhada por grande cortejo de automóveis e caminhões.
Em 1986 foram demolidos dois velhos pavilhões e construído um amplo salão comunitário para festas e esportes, com auxílio da comunidade e da Prefeitura. Foi inaugurado em 21 de fevereiro de 1987.



Presidente: Nédio Zotti

Vice-Presidente: Neuri Capalonga
Secretário: Gerson Carlos Capalonga
Tesoureiro: Paulo César Pittol

 

Comunidade Sant'Ana - Bairro Vila Moça

 

Com o desenvolvimento do bairro Vila Moça a comunidade resolveu construir uma capela. 
Em agosto de 1983, o pároco Pe.Genoir Pieta rezou uma missa campal na rua Ernesto Gregoire, procurando motivar os moradores para a construção da capela. Ainda no mês de agosto do mesmo ano, foram pregadas as santas missões, junto à Escola Pe.Domênico Vicentini. Findas as cerimônias religiosas foi organizada uma procissão até o terreno doado por Fidêncio Nardini, onde foi colocada uma cruz, no local onde seria construída a capela. 
Em janeiro de 1984 a capela foi inaugurada com a santa missa. A imagem da padroeira, Sant'Ana foi doada pela Sra.Olga Conte.
Em 20 de novembro de 1985 foi oficializada a comunidade de Sant'Ana, no bairro Vila Moça.
Em março de 1986 foi adquirido um terreno ao lado da capela, para a construção do pavilhão comunitário, que foi construído em sistema de mutirão, pela comunidade, com material fornecido pela Prefeitura.
Durante dois anos, 1964 e 1965, no bairro, foi apresentado o presépio vivo, junto ao Castelinho de Agenor Peretti, em construção. Com a presença do próprio Agenor, artista encantadense, com a colaboração de diversas pessoas.
 



 

Comunidade Santo Agostinho - Bairro Planalto

 

Durante a novena em preparação ao Natal de 1977, Pe.Ernesto Fabbian sugeriu a formação da Comunidade Santo Agostinho. Nesta ocasião, solicitou o empenho de Abel Pretto, para levar adiante o empreendimento. Abel Pretto, com o apoio dos moradores, dedicou-se com afinco para levar o bom termo a iniciativa. A 25 de novembro do mesmo ano promoveu uma reunião-culto, no porão da casa de Olvídio Bertozzi, para tratar da formação inicial da comunidade.
Em março de 1978, foi adquirido e doado por Antônio Lucca, o terreno para a construção de um pavilhão comunitário. Durante o mês de abril de 1978, Rubens Rossini conseguiu, do Batalhão Ferroviário sediado em Muçum, uma casa de madeira que serviu para depósito de materiais e ferramentas. A pedra fundamental foi benta e colocada pelo Pe.Joaquim Fillipin, em outubro de 1979. 
Em setembro de 1981, o Bispo Dom Alberto Etges visitou a comunidade e rezou a santa missa, juntamente com o Pe. Ernesto Fabbian e Pe. Paolo Dal Grando. Na mesma ocasião, foi instituído como ministro da palavra o Sr.Abel Pretto, que muito se destacou na construção da obra. 
Em novembro de 1981, na festa do padroeiro Santo Agostinho, foi inaugurado o pavilhão comunitário, com a bênção dada pelo Pe. Paolo Dal Grando. 
A imagem do padroeiro foi oferecida por Antônio Lucca; a de Nossa Senhora das Graças pela Sra.Agnese Terezinha Lucca; a de Nossa Senhora Aparecida, por Adilar Natal Cornelli; o sino foi ofertado por Arlindo Natal Cornelli e o crucifixo por um grupo de operário da Empresa Costi S/A.
Em novembro de 1982, foi adquirido mais um terreno de 2.000 m² para a construção de um cemitério. Décio Fronchetti, João Filter, Luiz e Jolvino Valduga doaram os terrenos necessários para a estrada até o local. O terreno do cemitério foi bento em outubro de 1984.
Em abril de 1985 foi adquirido outro terreno de 1.000 m² ao lado esquerdo do pavilhão comunitário, para a construção da igreja. Em ambas as aquisições houve a interferência de José Antônio Chanan.
A pedra fundamental da nova igreja foi benta e colocada pelo Pe. José Mário Gasparetti, aos 22 de agosto de 1993, com a presença do bispo Dom Paulo De Conto. Foi paraninfo do ato, Joaquim Bagatini. As obras da igreja tiveram início em março de 1985.



Presidente: 

 

Comunidade Santo Antão - Bairro Santo Antão

 

Um grupo de moradores do bairro, que se estendia até o Lambari, entre os quais, Santo Bertozzi, Antônio Bratti, Giovani Bratti, Antônio Buffon, Batista Zuchetti, Francisco Echer, Giovanni Rossetto, Augusto Vanzetta e Batista Castoldi, em 1889, deram início a construção de uma capela, dedicada a Santo Antão, em terrenos doados por João Rossetto e Ana De Conto. 
Aos 15 de novembro de 1889, mediante provisão, era concedida, pelo Bispo de Porto Alegre, a licença para benzer a capela. A bênção só foi efetuada, dois anos mais tarde, em 1891, durante a visita do Jesuíta, Pe.Eugênio Steinhart, de Estrela.
A 12 de agosto de 1890, era concedida a licença para construção do cemitério Santo Antão, em terras doadas por Francisco Echer. A comunidade construiu o antigo colégio Santo Antão solicitando ao Pe.Domênico Vicentini, que intercedesse para a vinda das irmãs, para dirigir o educandário. O Colégio foi inaugurado aos 8 de janeiro de 1900 e funcionou até 1933, quando as irmãs se transferiram para o Colégio São José, próximo a Igreja Matriz.
Em 1940, a capela passou por uma reforma, com a troca do telhado, que antes era de tabuinhas.
Um rústico pavilhão de festas foi construído em 1977. Em 15 de maio de 1984 foi deliberada a construção de um moderno pavilhão comunitário, com a participação da comunidade e da Prefeitura Municipal.
Em 1989 foi comemorado o Centenário da Capela com a realização de grandes solenidades e festas populares, ocasião em que foi colocada uma placa alusiva, com os seguintes dizeres: "Homenagem ao Centenário da Capela Santo Antão - 1889/1989".
 



 

Comunidade Santo Antônio - Linha Garibaldi

 

Linha Garibaldi começou a ser colonizada a partir de 1898, com a chegada das primeiras famílias: Giuseppe Pederiva, Fortunato Sandri, Batista Cadore, Pedro Frozza e Paulo Guizzo, os quais construíram um capitel de taquaras.
Aos 13 de julho do mesmo ano, estava reunidos para rezar na casa de Giuseppe Pederiva, ocasião em que resolveram construir uma capela de madeira, dedicada a Santo Antônio, a qual foi benta pelo Pe.Domênico Vicentini. A capela foi construída nas terras doadas por Batista Cadore, Giuseppe Pederiva e Fortunato Sandri. Estes formaram a primeira Diretoria.
Com o passar do tempo chegaram as famílias Daltoé, Bolesina, Salton e outras.
Em 15 de agosto de 1925 os fabriqueiros adquiriram, em leilão, o sino que servia na Igreja Matriz.
Uma capela maior foi construída em 1933, ainda de madeira a qual foi benta aos 13 de junho, pelo Pe.José Foscallo. A imagem de Santo Antônio veio da Itália, juntamente com uma relíquia do Santo.
Aos 7 de janeiro de 1940, foi ordenado Pe.Frei Salton, natural da localidade. Pe.Salton rezou missa solene na capela, aos 24 de janeiro do mesmo ano. Morreu em 23 de agosto de 1988, sendo seu corpo sepultado no cemitério da localidade, na capela da família. 
Aos 12 de outubro de 1951 foi benta e colocada a pedra fundamental para a construção de uma nova capela de alvenaria, concluída no ano seguinte, quando foi benta pelo Pe.Aroldo Murer, em 11 de outubro de 1952.
Um grande pavilhão de esportes teve iniciada sua construção aos 27 de junho de 1979.



Presidente: Nédio Pederiva

Vice-Presidente: Darci Salton
Tesoureiro: Agenor Guizzo
Secretário: Décio Daltoé

 

Comunidade São Brás - Bairro São José - Lot.Lago Azul

 

Aos 15 de março de 1983, Antônio Camargo, um dos primeiros moradores do bairro, tomou a iniciativa de solicitar ao Pe. Paolo Dal Grande, para rezar uma missa em sua casa. Após a missa realizou-se uma reunião no próprio local, com a finalidade de fundar a comunidade, sob a denominação de São Brás. Foi escolhida a primeira diretoria formada por Neudir Luzzi, Aires Graciolli e Albino Marcon. Esta residência serviu para os encontros futuros da nova comunidade, inclusive, para a realização de uma missão, aos 19 de agosto de 1983.
A diretoria adquiriu um terreno e recebeu outro em doação da firma Imobliária Conzatti para a construção de um pavilhão comunitário. Enquanto isso, foi construída a Escola Municipal de Ensino Fundamental Tancredo Neves, onde passaram a ser realizados os ofícios religiosos e as festas da comunidade.
Aos 15 de outubro de 1988 foi inaugurado, parcialmente, o novo pavilhão de festas da comunidade católica São Brás, com a bênção oficializada pelo Pe.Genoir Pieta, sendo o padrinho Luiz Pedro Dalla Lasta.
Aos 14 de setembro de 1989 estava programada a visita do Bispo Dom Aloísio Sinésio Bohn, que não se efetivou por motivo de uma grande enchente que inundou parte do bairro, sendo marcada nova data para a visita.
Com a ajuda financeira do Bispo Diocesano e de várias empresas, o pavilhão foi concluído, sendo, inclusive, utilizado para as mais diversas finalidades sociais e esportivas.
A imagem do padroeiro São Brás foi encomendada aos 27 de março de 1989.




 

Comunidade São Carlos - Bairro Jacarezinho

 

As primeiras famílias que se estabeleceram na localidade foram Pretto, De Conto, Tiecher, Bonfanti, Gosmann e outras, a partir da segunda parte da década de 80.
Ângelo e Cristina Tiecher mandaram construir, em 1892, um capitel tendo doado os quadros com a imagens de Sant'Ana e Nossa Senhora do Carmo.
Com a chegada de novas famílias: Agostini, Lorenzon, Pezzini, Lorenzini e Luzzi, foi construída uma pequena escola, em 1898, a qual servia, também, como capela.
Em 1912 foi construída a primeira capela de madeira, dedicada a São Carlos, em terrenos doados por Antônio De Conto e João Bonfanti, a qual foi benta, em 1913, pelo Pe.Giorgio Cavigliolo.
Em 1932 teve início a construção de capela maior de alvenaria e uma torre, tendo sido benta e colocada a pedra fundamental pelo Pe.José Foscallo, aos 6 de novembro. Foi inaugurada aos 10 de maio de 1933.
Em 31 de março de 1974 foi benta e colocada a pedra fundamental, para a construção de uma moderna capela, com a presença do Bispo Dom Alberto Etges, autoridades e elevado número de fiéis.
A comunidade da capela São Carlos orgulha-se de ter dado à igreja, o primeiro, natural de Encantado, Dom Paulo De Conto, além do Frei Sérgio Gonzatti, o irmão Vitório Secchi e as irmãs Júlia Ignes De Conto, Ana Bonfanti, Ilda Gonzatti e Rosamélia Gonzatti.
Além da belíssima e moderna capela, a comunidade São Carlos possui o grande salão de festas centenário, o cemitério, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Antonio De Conto, Coral São Carlos.




 

Comunidade São Francisco - Linha Azevedo

 



 

Comunidade São João Batista - Bairro Lambari Baixo

 

O bairro começou a ser colonizado a partir de 1882 com a chegada das famílias de Antônio e Giovanni Bratti, seguidas pelas famílias Buffon, Zuchetti, Luzzi, De Marco, Cornelli, Fumagalli e outras. Primeiramente ligadas à comunidade Santo Antão.
Em 1904, os moradores construíram um capitel dedicado a São João Batista, sobre um terreno doado por José Tramontini, localizado no entroncamento da Estrada dos Imigrantes, com a São José. A construção do capitel foi motivada por uma promessa feita pelo afastamento da praga dos gafanhotos.
Mais tarde o capitel foi ampliado, a fim de servir, inclusive, como Escola denominada Osvaldo Cruz. Esta escola funcionou de 1929 até 1961. Era atendida, primeiramente, pelas irmãs do Colégio Santo Antão, e mais tarde, por professoras municipais, continuando a servir como capela, onde era rezada a santa missa de tempos em tempos.
Em 1961 a comunidade adquiriu de Marcos Bratti, um terreno e o doou à Prefeitura que construiu uma escola de madeira, tendo por patrono Alberto Pasqualini.
Mais tarde, em 1972, foi construída uma escola-capela de alvenaria, denominada São João, a qual foi inaugurada em 7 de maio do mesmo ano. A imagem do padroeiro foi doada por Ari Buffon.
Posteriormente foi construído um pavilhão comunitário em frente a escola-capela que foi inaugurado aos 24 de setembro de 1982.



 

Comunidade João Batista Scalabrini - Bairro São José

 



 

Comunidade São Luiz - Linha São Luiz

 

Situada no alto das montanhas que ladeiam a margem esquerda do arroio Jacarezinho, a localidade de São Luiz teve sua primeira capela de madeira, construída em 1917, sendo benta pelo pároco, Pe.Giorgio Cavigliolo. Foi construída sobre um terreno de 250 metros quadrados, doado pela família de Agostinho Dacroce.
Juntamente com esta família, outras se uniram para formar a comunidade: José Peruzzollo, José Lorenzi, João Spessatto, Paulo Spessatto, Caetano Radaelli, Sílvio Peruzzollo, Félix Pretto e José Lorenzi Filho.
Possuía, inicialmente, as imagens do padroeiro São Luiz e de Nossa Senhora da Saúde, cujas festas são comemoradas anualmente. 
Em 1937, no mesmo local, foi construída uma nova capela, mais espaçosa, a qual foi inaugurada em novembro de 1974, sendo padrinhos Albino Spessatto, Leonel Sangalli e Dezidério Delazeri. Nesta nova capela foi introduzida, também, a imagem de São Brás.
Em 1988 teve início a construção de um pavilhão comunitário, com a participação da comunidade e a colaboração da Prefeitura Municipal.



Presidente: Dirceu Bianchini e Inelva Judite Bianchini

Vice-Presidente: Reni Paulo Valduga
Tesoureiro: Adilso Jacob Bouvié

 

Comunidade São Marcos - Linha São Marcos

 

Numa pequena comunidade da qual faziam parte Domingos e João Marchetti, João e José Gado, José e Jacó Aresi, Lourenço Danielli e João Cobalchini, entre outros, foi construída uma capela, sobre terrenos doados por João Cobalchini e Jacó Aresi, que foi benta pelo Pe.Giorgio Cavigiolo, em 1911.
A capela possui três imagens: São Marcos, padroeiro; Santo Antônio e Nossa Senhora do Carmo. Construída sobre as montanhas. Dista 15 quilômetros da sede do município.
Em 1993 a capela foi transferida de local, para mais perto da maioria dos moradores, com a construção de um novo prédio.




Presidente: Juremir Casarotto

Vice-Presidente: Luciano Vian

 

Comunidade São Máximo - Linha Barra do Guaporé

 

Em 1929 foi fundada a comunidade São Máximo, à margem esquerda do rio Guaporé, junto à confluência com o rio Taquari, próxima à cidade de Muçum.




 

Comunidade São Roque - Linha São Roque

 

As primeiras famílias que se radicaram na linha São Roque, foram as de Gregório Giacomolli, Benjamin e Domingos Pedrotti, Andréia Belló, Constante Fraporti, Henrique Demichei, Basílio Turatti, Batista Cemin, Francisco Sangalli e outras.
Em 1892, a comunidade construiu uma capela de madeira, dedicada a São Roque, em terrenos doados por Gregório Giacomolli e Ana Lorenzi, que foi benta, no mesmo ano, pelo Pe.Eugênio Steinhart, de Estrela.
Quinze anos mais tarde, em maio de 1907, foi colocada a pedra fundamental para a construção de uma nova capela, de alvenaria, pelo Pe.Mássimo Rinaldi. Aos 16 de agosto do mesmo ano, a capela foi benta pelo Pe.Pedro Negri.
No interior da capela encontra-se a imagem de São Roque, doada por Domingos Turatti e mais as imagens do Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora das Dores, Santo Antônio e Nossa Senhora de Lourdes.
A escadaria em frente a capela foi construída em 1924 e, em 1933, foi erguida a torre, onde foi colocado um sino de bronze com o peso de 200 quilos.
Pe.Mássimo Rinaldi presenteou à capela, um cálice de seu uso, com a inscrição de seu nome. Com a instalação do Museu Sacro Mássimo Rinaldi, o referido cálice foi incorporado ao acervo do museu.
Em 1982 foi construído um amplo pavilhão comunitário, com o auxílio da Prefeitura e da comunidade, em terrenos doados por Daniel Giacomolli.
Em 16 de agosto de 1992, a Comunidade São Roque comemorou o Centenário de fundação da capela, com grandes solenidades e festas populares.




 

São Pedro
Encantado

Comarca Eclesiástica: Encantado 

Município: Encantado/RS 
Padroeiro: São Pedro 
Fundação: 1896 
Pároco: Pe. João Granzotto 
Vigário Paroquial: Pe. Hermes Pergher 
População: 20.510 habitantes (IBGE 2010) 
População Católica: 17.452 habitantes (IBGE 2010)

HORÁRIO DAS MISSAS